• Home »
  • Destaque »
  • As oitavas de final da Champions possibilitam que o domínio espanhol se consolide ainda mais na Europa

As oitavas de final da Champions possibilitam que o domínio espanhol se consolide ainda mais na Europa

Sergio Ramos, autor do gol que deu o décimo título ao Real (Foto: EPA)

Sergio Ramos, autor do gol que deu o décimo título ao Real (Foto: EPA)

Por Bruno Louzada

Se a Premier League é apontada como a melhor liga do planeta e da Alemanha vêm os atuais campeões mundiais, a grande hegemonia entre os clubes europeus tem endereço. Com atuais campeões na Champions e na Europa League, a Espanha tem os times mais bem sucedidos dos últimos anos. E agora, um novo passo: pode ter metade dos quadrifinalistas da principal competição de clubes do mundo.

Com partidas mais ou menos complicadas, Barcelona, Real Madrid, Sevilla e Atlético de Madrid têm a chance de, juntos, aumentar a dominância espanhola nas competições europeias. Se os quatro passarem, após um novo sorteio, existe a possibilidade de uma semifinal 100% da Espanha.

É claro que a sorte interfere nesse caso, mas chama a atenção o desempenho dos espanhóis nas recentes competições europeias – UCL e UEL. O fenômeno, antes exclusivo de Barça e Real, ganhou novos componentes no cenário vitorioso. Além de seis conquistas em onze possíveis, a Espanha só não marcou presença em uma semifinal em todo o período – 2006/07. Em duas oportunidades colocou dois representantes na final.

Leia também -> Cristiano Ronaldo vence a bola de ouro da France Football

Liga Europa

Na competição, a situação não é muito diferente, o que mostra que a Espanha não se resume à dupla de gigantes – e, mais recentemente, o intruso Atleti. Na atual edição, três espanhóis estão no mata-mata: Athletic Bilbao, Villarreal e Celta de Vigo. Além do atual tricampeão Sevilla, o país só não teve representantes em três semifinais. Foram, ainda, duas finais 100% espanholas.

Cada vez mais fortes, Real e Barcelona são cada vez menos os únicos expoentes do futebol espanhol. Se a grana não sobra como na Inglaterra, o planejamento, busca de talento e trabalho nas categorias de base compensam. E esta edição de Champions é mais uma prova da força de um trabalho que já rendeu duas Euros e uma Copa.

Comments